top of page

PROPOSTA TÉCNICA DE BANDEIRA DE ALERTA HÍDRICO DE VOLUME DE RESERVATÓRIOS.



Adriano Gama - Engenheiro Químico pela UFRJ; Engenharia Sanitária pela UERJ e Esp. em Meio Ambiente pela COPPE.

Trabalhou 25 anos na CEDAE, dos quais, 12 anos como responsável pela Pesquisa na ETA Guandu.



OBJETIVO:


Realizar uma Proposta Técnica aos Organismos em Recursos Hídricos de um modelo de alerta hídrico de volume útil de reservatórios, ao longo do ano, considerando os períodos: de seca e de chuva, tal qual a bandeira tarifária do setor elétrico. A razão disto é para estabelecer, de modo prático e compreensível, uma informação importante aos usuários da respectiva Bacia Hidrográfica e ações executivas pré-estabelecidas pelos gestores do Comitê, diante da cor da bandeira de alerta hídrico: verde, amarela ou vemelha.


DISCUSSÃO:


A Política Nacional de Recursos Hídricos, lei 9433/97 fez vinte e dois anos. Os Comitês de Bacias estão funcionando, com respectivas agências executando os seus planos. Alguns Comitês mais adiantados que outros, mas realizando a Gestão da Bacia Hidrográfica. Contudo, nestes 22 anos, o grande desafio para os gestores e Organismos atuantes em Bacia Hidrográfica tem sido experimentar os eventos climáticos extremos que têm ocorrido nos últimos tempos, que refletem na gestão hídrica da Bacia e consequentes tomadas de decisão através de ações que busquem mitigar os problemas gerados pela falta ou excesso de água. Assim, o alerta hídrico em forma de cor de bandeira, serve para repassar á população, a situação de momento dos reservatórios e, também, aos gestores definirem as ações, inclusive Regras Operativas, a serem realizadas para manter ou restabelecer a situação de normalidade dos reservatórios.


O exemplo do modelo de alerta hídrico em forma de cor de bandeira a ser apresentado, segue o calendário climático da Região Atlântico Sudeste (Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul). Para o desenvolvimento deste modelo, é necessário estabelecer algumas considerações, conforme abaixo:


  • Dividir o calendário climático em: período de seca: 01/05 à 31/10; período de chuva: 01/11 à 30/04;


  • Relacionar nas abscissas, cada dia do calendário (d), com um determinado algarismo. No caso: (01/05) = - 184.....(01/11) = 0......e (31/10) = 180;


  • Desconsiderar o dia 29/02, quando houver;


  • Relacionar nas ordenadas, o percentual de volume útil do reservatório VU (%);


  • Considerar a proporção direta, de esvaziamento ou enchimento dos reservatórios, entre o VU(%) e d(dia do ano) ao longo do ano, levando às equações de reta (função polinomial de 1°grau) no gráfico em anexo. Esta consideração, de fato, levará a uma melhor compreensão, por grande parte da população, do método aplicado.



  • Por exemplo, para os reservatórios da Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul, ao considerar o gráfico de VU(%) ao longo dos anos, desde 1993, observa-se que um range de 40% entre períodos de seca e chuva, pode ser um valor razoável para estabelecer uma diferença entre bandeiras, conforme abaixo;

Período de seca (01/05) Período de chuva (01/11)


80 - 100 - Bandeira verde 80 - < 100 - Bandeira vermelha

40 - ˂ 80 - Bandeira amarela 40 - ˂ 80 - Bandeira verde

˂ 0 - ˂ 40 - Bandeira vermelha 20 - ˂ 40 - Bandeira amarela

˂ 0 - ˂ 20 - Bandeira vermelha


Portanto, após traçar as retas no gráfico em anexo, pode-se estabelecer a seguinte convenção em alerta hídrico de bandeira em reservatórios:


· Bandeira verde, compreende a área entre as equações (1), (2), (3) e (4);

· Bandeira amarela, compreende a área entre as equações (3), (4), (5) e (6);

· Bandeira vermelha, compreendem as áreas: acima das equações (1) e (2) e abaixo das equações (5) e (6).



CONCLUSÃO:


O modelo de alerta hídrico, em reservatórios, apresentado é convencionado de forma simples para uma maior compreensão pela população afetada da condição hídrica da Bacia Hidrográfica, através da representação de uma cor de bandeira, diante do volume de determinado reservatório ou sua equivalência.


Tal modelo segue uma linha estruturada, que pode ser estabelecida para quaisquer reservatórios nas diversas Bacias Hidrográficas, conforme abaixo:


1. Dividir o calendário em período de seca e período de chuva;


2. Numerar os dias do ano, nas abscissas, separando os períodos: seca e chuva, nos quadrantes cartesianos;


3. Analisar o gráfico de enchimento/esvaziamento dos reservatórios em questão, para estabelecer o range VU(%) adequado. Com o valor deste VU(%), estabelecer uma tabela com as cores de alerta hídrico de bandeira;


4. Estabelecer as equações de reta em função do range (item 3), as quais separam as cores de bandeiras;


5. Fazer o gráfico com as áreas das cores, de bandeira, de alerta hídrico, conforme abaixo:



GRÁFICO ANEXO:



72 visualizações4 comentários

Posts recentes

Ver tudo

4 Comments


Adriano, quais comitês de bacia estão, atualmente, utilizando esse sistema de alerta?

Like
Adriano Gama
Adriano Gama
Jul 14, 2021
Replying to

Américo, ainda não tenho informação se algum Comitê esteja utilizando tal Sistema de Alerta.

Like

kinokino7
kinokino7
Jul 13, 2021

Muito boa proposta. Como o autor imagina a troca de informações com os usuários da bacia?

Like
Adriano Gama
Adriano Gama
Jul 14, 2021
Replying to

Kino, esta nossa proposta vem ao encontro do que está descrito no inciso III, do parágrafo 26°, da Lei 9433/97:


III - acesso aos dados e informações garantido à toda a sociedade.


Também, as informações ofertadas, até então, dos reservatórios são quantitativas, quer sejam: Afluência, Defluência e Volume útil (VU). Então, faltava uma informação qualitativa para a sociedade, no caso, a relação de bandeiras com o percentual de volume do reservatório. Desta forma, elaborei esta proposta. Imagino que, na sua pergunta, o significado de "usuários" seja a população residente em uma determinada Bacia. Para que chegue informações aos usuários, é requisito básico o fortalecimento do Comitê de Bacia. A Diretoria executiva deve ser atuante e participando para a sociedade todas…

Like
bottom of page